Escola+Paz comemora metas alcançadas no seminário Relatos e Resultados

Tags:

Data: 23/07/2019

Postado por: Redação Escola+Paz

Após um ano de atuação no Escola+Paz, a Ajuris, o Estado do Rio Grande do Sul, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Programa de Oportunidades e Direitos (POD) se reuniram para celebrar as metas cumpridas e marcar o encerramento do projeto no Seminário Escola+Paz: Relatos e Resultados.

Com o objetivo inicial de formar 1.200 facilitadores e de implantar pelo menos um núcleo de Justiça Restaurativa em cada um dos seis territórios, o evento comemorou a formação de 1.249 facilitadores e 34 núcleos pioneiros em 135 escolas dos municípios de Porto Alegre, Viamão e Alvorada. Além disso, houve a formação de 159 facilitadores restaurativos, capazes de atuar em Círculos de Construção de Paz Mais Complexos, e de 25 novos instrutores de Círculos Menos Complexos.

Realizado no auditório do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, o evento teve como convidados os facilitadores e instrutores formados nos anos de 2018 e 2019, que compareceram em peso. O idealizador e coordenador do Escola+Paz, desembargador Leoberto Brancher, lembrou que o auditório lotado “representa o potencial vivo deste movimento”. 

Além de Leoberto Brancher e da diretora da Ajuris, Vera Lucia Deboni, compareceram também o Secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH-RS), Catarina Paladini, o Diretor do Departamento de Justiça da SJCDH-RS, Egon Kvietinski, a Coordenadora da Comissão Interna de Prevenção a Acidentes e Violência Escolar (Cipave), Patrícia Sanchotene, e Elcio Resmini como representante do Ministério Público.

Após a abertura, com a fala das autoridades, a palavra foi passada a cada um dos seis territórios: Alvorada, Cruzeiro, Rubem Berta, Lomba do Pinheiro, Restinga e Viamão. Com a proposta de apresentar os sete pressupostos dos Círculos de Construção de Paz, os alunos de cada território prepararam uma apresentação artística inspiradora.

Os consultores responsáveis pelos territórios trouxeram dados quantitativos sobre a implementação do projeto, mas também falaram com paixão sobre suas vivências em campo e como estavam abertas as escolas e Centros de Juventude para receber ações de Justiça Restaurativa.

Entre as metas para o futuro, está a vontade de ampliar o Escola+Paz para as outras cidades pertencentes ao RS Seguro, Programa Transversal e Estruturante de Segurança Pública. As perspectivas são boas, já que um estudo inicial indicou que existem células de Justiça Restaurativa em 15 das 18 cidades do programa.

Os estados do Ceará e Amapá também têm a perspectiva de levar o programa a nível nacional, em parceria com o Estado do Rio Grande do Sul, e estavam presentes no evento com suas respectivas comitivas.